Arquivos do Blog

Projeto Cruiser 16: um veleiro de Gustavo Dantas Brum

Projeto Cruiser 16: parte 1

Finalmente, um veleiro na medida para o construtor artesanal de barcos brasileiro!

Depois do sucesso do CD de projetos de veleiros para construção artesanal, decidi iniciar um projeto próprio, unindo o conhecimento adquirido em anos de pesquisa sobre o tema às minhas próprias idéias sobre como deveria ser um veleiro capaz de unir 3 características básicas: Baixo custo, facilidade e rapidez de construção, e compromisso aceitável entre conforto e desempenho. Explicarei melhor estes 3 itens abaixo:

  1. Baixo custo: se você tem dinheiro na conta, siga o conselho de um amigo meu, que comprou um casco Bruce Roberts 35 e o reformou inteiro, “não construa, compre pronto e vá velejar!” É claro que não construímos barcos apenas porque não podemos gastar, a construção de um barco, como de qualquer outra coisa (uma casa, um carro, seus próprios móveis), dá ao construtor uma dignidade e orgulho ao ver sua obra pronta e servindo, que não se pode comparar com nada que se compre. Mas quando se fala de um veleiro pequeno, digamos, de 16 pés, não vale a pena construí-lo se ele custar mais que 5000 reais, porque com esta quantia você pode comprar um Paturi usado. A não ser, claro, que você queira construir um barco específico, um desenho mais clássico, ou um layout específico, mas na faixa de 16 pés, o grande chamariz de um projeto para construção artesanal é o baixo custo e a simplicidade, para que o projeto sirva de escola para construtores iniciantes, que dispõe de pouco capital e pouco tempo disponível.
  2. Simplicidade e rapidez de construção: para um construtor amador, que procura seu primeiro veleiro para construir em compensado naval, um projeto deve ser simples e rápido, ou seja, o método de construção deve permitir que uma pessoa, sozinha, possa executar a maior parte da construção, excetuando a eventual viragem do casco, e instalação da quilha ou do lastro. Além disso, o melhor método é o que combina baixo custo de material com menor número de peças e simplicidade nas formas. É possível construir um casco muito barato usando tábuas parafusadas sobre cavernas e fundo chato, porém, a vedação e acabamento das tábuas, assim como a montagem de numerosas cavernas, pode prolongar a construção em demasia. Cascos de compensado naval sobre cavernas temporárias, como o Sztrandék, ou em “stitch-and-glue”, como o Vagabond 23, são simples de construir e utilizam poucas placas de compensado em comparação com, por exemplo, um Multichine 23 (projeto do Cabinho) ou um Pilgrim 590, que utilizam anteparas de compensado naval para apoiar as longarinas e o casco.
  3. Compromisso entre desempenho e conforto: a não ser que você seja um regateiro convicto, um veleiro deve oferecer um compromisso entre velocidade e conforto. Ou seja, se for muito lento, a tripulação vai ficar muito cansada até chegar ao destino, e uma tripulação cansada e desatenta é um problema para a segurança da velejada. Por outro lado, barcos de regata, com grande estabilidade de desenho e cascos de planeio, cockpits amplos e leves, tendem a ser duros em mar agitado, e não oferecem muito espaço se você quer um pernoite com algum conforto, e itens tais como beliches, cozinha, WC, e assim por diante. Mas aí trata-se de gosto pessoal. Eu pessoalmente prefiro um barco que permita viagens mais ou menos prolongadas, com conforto (tanques de água com uns 50 l, geladeira 12V ou caixa de gelo, fogão, WC, ducha no cockpit, etc.) e pé direito que permita, ao menos, ficar sentado nos beliches sem bater a cabeça no teto. Por outro lado, um barco deste tamanho tende a ser lento, devido ao seu comprimento, e por isso o casco deve permitir um desempenho razoável em planeio, embora cascos de planeio com popa muito larga sejam duros em mar agitado.

Assim o projeto Cruiser 16 será o barco ideal para o construtor iniciante de veleiros, e será também um excelente veleiro para o velejador iniciante, já que terá um desenho voltado à estabilidade, segurança, conforto, que um velejador solitário poderá velejar com tranquilidade, sem catracas, tralhas e itens caros na mastração e velame. Enfim, a idéia é projetar um barco que seja fácil e barato de construir (abaixo de 3000 reais), que possa ser feito em pouco tempo (menos de um ano, utilizando apenas os fins de semana), e que seja divertido e confortável para um casal passear durante o fim de semana, sem precisar atracar. Que especificações um barco desse teria? Veja um esboço de como ele poderia ser, e suas especificações (metas):

  • Comprimento total: 5 metros
  • Boca máxima: 2 metros
  • Calado (mínimo/máximo): 0,3m/1m
  • Deslocamento: 800kg
  • Tanques de água: 50-80l
  • Beliches: 2 na cabine (+2 no cockpit)
  • Motorização: 5-8hp (de popa ou estacionário sob o cockpit, refrigerado a ar)
  • Material: compensado naval de virola, fibra de vidro com resina epóxi (casco)
  • Mastreação: carangueja (gaff rig), mastro de aço (tubular redondo, com costura, zincado), estaiamento em aço galvanizado.
  • Casco: Multichine com fundo chato para facilitar encalhe, 2 quinas, 2 bolinas retráteis sob os beliches, em compensado naval de virolinha com uma camada de tecido de fibra de vidro e resina epóxi.

Em breve publicarei mais esboços com propostas de layout do interior e mais detalhes do projeto. E em breve saaberemos se é possível projetar um veleiro barato, fácil de construir, pequeno mas espaçoso, marinheiro e que pode ser facilmente rebocado numa carreta rodoviária. Aguardo comentários e sugestões de vocês.

Gustavo Dantas Brum

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 345 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: